Trabalhadores do campo se reúnem para discutir acordo coletivo

Chegar a um acordo coletivo de trabalho entre os trabalhadores do campo e as usinas, este ano, não será uma tarefa fácil. Indignados com a medida adotada pelas indústrias em fazer contratos de trabalho por tempo determinado, a categoria ameaça paralisar as atividades.
 
Na próxima terça-feira, dia 19, a Secretaria de Assalariados da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura no Estado de Alagoas (Fetag-AL), realiza uma reunião com as lideranças dos 49 sindicatos rurais da zona canavieira para discutir a insatisfação da categoria. O encontro será na sede social da entidade, localizada no bairro de Mangabeiras, a partir das 9 horas.
 
“A pressão dos trabalhadores é grande. Vamos nos reunir com eles para que possamos traçar encaminhamentos que serão adotados durante as rodadas de negociações do acordo coletivo 2010. Chegar a um denominador comum deve ser uma tarefa difícil. Afinal, os trabalhadores estão insatisfeitos com o regime adotado pela usinas de fazer o contrato classista por tempo determinado”, acrescentou o secretário de Assalariados da Federação, Antonio Torres.
 
De acordo com ele, com o contrato de trabalho por tempo determinado, alguns direitos trabalhistas deixam de ser pagos pelas usinas, a exemplo do pagamento da multa rescisória de 40%, aviso prévio e o segurado-desemprego.

 

A minuta com as propostas dos trabalhadores para a convenção coletiva 2010 já foi entregue a classe patronal que deve formar uma comissão e dar início ao processo de negociação das clausulas nas próximas semanas. Entre as principais exigências, o aumento salarial de 20%.