Fetag-AL realiza II Mutirão da Previdência em Joaquim Gomes

As secretarias de Política Social e de Política Agrária da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Alagoas (Fetag-AL) realizam, nos dias 29 e 30 de julho, o II Mutirão da Previdência Social de Joaquim Gomes. A ação acontece no sindicato dos trabalhadores rurais do município, a partir das 8 horas.

O objetivo do mutirão é atender os agricultores locais para garantir o acesso a benefícios previdenciários, como aposentadoria por idade, salário maternidade, auxílio reclusão, auxílio doença, benefício de prestação continuada (BPC), entre outros direitos. Na primeira ação realizada no município, em outubro do ano passado, 20 agricultores tiveram seus benefícios aprovados pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

Segundo a secretária de Política Agrária da Fetag-AL, Cícera Miranda, que faz parte da comissão da previdência nos municípios, os trabalhadores da zona rural têm grande dificuldade em se deslocar até Maceió, já que em Joaquim Gomes não há agência do INSS. “As agências mais próximas ficam em União dos Palmares e Murici. O trabalhador tem que se deslocar da zona rural até a cidade, e depois providenciar um transporte para as localidades vizinhas. Eles acabam passando o dia inteiro fora”, explicou Cícera.

A integrante da comissão ainda frisou que o trabalho da Fetag-AL representa um avanço na luta pelos direitos dos trabalhadores. “Eles recebem um salário mínimo pelos benefícios, o que já é uma grande vitória para o trabalhador. Todo mês ele sabe que seu direito está garantido”, ressaltou.

Diante da carência quanto às demandas previdenciárias em Joaquim Gomes, a Federação já estuda uma parceria com a prefeitura do município para que seja cedido um local, nos padrões do Ministério da Previdência Social, para a implantação da agência.

Cadastro

Para realizar o cadastro na previdência, os agricultores devem levar ao local do mutirão comprovante de que exercem a profissão há mais de 15 anos; documentos pessoais (RG, CPF); e declaração de atividade rural, emitida pelo sindicato dos trabalhadores. Já os assalariados rurais devem comprovar, através de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), o registro das contribuições.