Fetag-AL denuncia que programa Amigo Trabalhador não saiu do papel

Com as primeiras usinas dando início aos preparativos para o novo ciclo da cana em Alagoas, o secretário de Assalariados da Fetag-AL, Cícero Domingos, afirmou que o programa Amigo Trabalhador, que deveria pagar uma bolsa qualificação e cursos de capacitação para os trabalhadores desempregados durante a entressafra, ainda não saiu do papel. 
“Parte dos trabalhadores do litoral norte do Estado não serão mais beneficiados. Algumas usinas da região já começaram a selecionar o pessoal e a pedir as carteiras de trabalho para a próxima safra que deve começar em agosto”, afirmou Domingos.
De acordo com o dirigente da Fetag-AL, o atraso no início do programa foi provocado pelo impasse quanto a realização dos cursos de qualificação profissional. 
“Foi feito um decreto que determinava – apenas para este ano – a não realização dos cursos já que não daria tempo de fazer as capacitações. Com isso, seria pago apenas a bolsa. Mas, o decreto não foi aceito pela PGE”, acrescentou o secretário de Assalariados.
Com isso, segundo Domingos, o Amigo Trabalhador está parado. “Pedimos a Secretaria de Estado do Trabalho para que a qualificação fosse realizada apenas em 2017. Afinal, este ano, o prazo já está vencido. Era para eles terem organizado os cursos no início do ano. Quando a entressafra chegasse, tudo já deveria estar pronto, faltando apenas o cadastro dos trabalhadores”, reforçou.
O diretor da Fetag-AL, afirmou ainda que o Governo do Estado vem trabalhando para que o Amigo Trabalhador, que deveria beneficiar dois mil trabalhadores  do corte da cana desempregados, não passe em branco este ano. “Se o programa andar, ainda há regiões do Estado onde a safra demora mais para começar e os trabalhadores poderão ser atendidos. Mas, só vamos convoca-los para fazer o cadastro quando houver uma certeza sobre o pagamento da bolsa. Não vamos dar esperanças falsas a estes pais de família”, finalizou Cícero Domingos.