Dirigentes da Fetag-AL e classe patronal não chegam em acordo sobre reajuste salarial

Dirigentes da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Estado de Alagoas (Fetag-AL) estiveram reunidos na tarde desta terça-feira, 15, com representantes da classe patronal. Na pauta do encontro, realizado na sede da federação, o acordo coletivo 13/14 para os trabalhadores do campo do setor sucroenergético.

“Novamente os representantes das usinas levantaram a problemática da crise financeira que atravessa o setor sucroenergético. Mas os trabalhadores não podem pagar o pato. Eles ficaram de apresentar uma proposta para que possamos analisar até a próxima terça-feira, dia 22. Até o momento, nenhum número foi apresentado pelos representantes da classe patronal”, informou o secretário de Assalariados da Fetag-AL, Antonio Torres.

Segundo o dirigente sindical, após receber a proposta da classe patronal, os trabalhadores farão uma reunião para avaliar o conteúdo do documento sugerido. “Com isso, no dia 24, faremos uma nova reunião q será realizada na sede da Faeal, a partir das 16 horas”, reforçou Torres.

De acordo como secretário de Assalariados da Fetag-AL, os trabalhadores rurais estão pleiteando um reajuste salarial de 15%. Com isso, o salário passaria dos atuais R$ 698 para R$ 802.

A proposta dos trabalhadores rurais inclui ainda um piso garantia no valor de R$ 25. O gatilho é aplicado caso o reajuste dado pelo governo federal ao salário mínimo, em janeiro de 2014, seja igual ou superior o vencimento dos trabalhadores rurais.